A epicondilite ou tenis elbow é uma situação clinica que não aparece só em praticantes deste desporto. Qualquer outra actividade com utilização repetitiva dos musculos extensores do punho e dedos, como por exemplo a prática do bowling, pode dar origem ao aparecimento do chamado cotovelo do ténis. Não é propriamente o cotovelo que sofre a lesão. O uso repetido e com grande tensão, provoca lacerações minúsculas na área de inserção proximal dos músculos do antebraço que partem da face externa do cotovelo até ao punho .

 

Começa como uma ligeira impressão dolorosa, geralmente localizada na face externa do cotovelo e que se estende pelo terço proximal da face externa do antebraço. Se se continuar a usar o antebraço em sobrecarga repetitiva, a zona magoada torna-se dolorosa ao toque e a dor pode irradiar para baixo até ao punho. Levantar qualquer coisa, especialmente com o antebraço estendido, torna-se muito doloroso e quase impossivel , mesmo para pesos não muito elevados.Gestos como o de abrir a maçaneta de uma porta, tornam-se impossiveis.

Para se ter a certeza de que se trata efectivamente de epicondilite, o médico pode pedir ao doente para flectir o antebraço, em relação ao ombro, como para " fazer musculo " e depois endireitá-lo, em sentido externo, com a palma da mão virada para cima. Se existir epicondilite, surge dor logo que o antebraço se estica. Flectir o punho para cima, a partir desta posição, é igualmente doloroso.

 

É importante parar de imediato a actividade e não a retomar até que a dor tenha desaparecido completamente.Isto pode muito frequentemente demorar várias semanas, mas no entanto o repouso é o melhor tratamento. Uma tala rígida para o punho, limitando a dorsi-flecção e fácilmente disponível no mercado, pode ajudar a manter em repouso os músculos lesados. Para além disso deve usar-se o antebraço magoado o menos possivel e dar-lhe tempo suficiente para que se cure.

Para aliviar a dor, pode aplicar-se gelo na área magoada durante 20 minutos, pelo menos duas a três vezes por dia. Isto deve ser feito durante vários dias. A massagem da zona magoada pode igualmente ser util por aumentar a circulação sanguínea nos músculos lesionados.Tomar um anti-inflamatório não esteroide (apenas por indicação do ortopedista) reduz a dor e a tumefação. Lenta e cuidadosamente , deve então começar-se a fazerem-se exercícios para melhorar a força muscular.

Para evitar problemas futuros, deve considerar-se sempre a possibilidade de ter lições com um professor para se melhorar a técnica, quando a lesão se relaciona com a prática de desporto (ténis), mas só depois da dor ter desaparecido completamente. Os exercicios de reforço muscular aumentam a flexibilidade e a resistência dos musculos lesionados, mas devem ser imediatamente interrompidos quando fazem reaparecer a dor. Se isso não suceder, estes exercicios devem ser feitos regularmente.

Por vezes uma banda de compressão em velcro, colocada no antebraço imediatamente abaixo do cotovelo ( três dedos ) , ajuda a proteger a inserção dos músculos epitrocleanos, da grande tensão repetitiva, quando se reinicia o trabalho ou a prática desportiva.

Nas situações recorrentes e ou refractárias ao tratamento médico conservador descrito, há necessidade de se recorrer ao tratamento cirúrgico. Este desenvolve-se em ambiente de "cirúrgia de dia", com utilização de anestesia loco-regional. A recuperação funcional, tem em média um período de 21 dias e os resultados definitivos são excelentes.

No entanto, antes de se tentarem tratar a si próprios, os atletas devem procurar um médico ortopedista, de modo a terem a certeza de que se trata de uma epicondilite e não de outra afecção.








©1997 Olympica Internacional

Página alojada e assistida por Alternet - Comunicações Alternativas Lda
Última alteração a 02-03-17